[Filme] A autópsia - André Øvredal

15 maio 2017

Estava complemente empolgada pra assistir esse filme desde que vi o trailer dele. Obviamente, quando vi que estava passando no cinema não podia deixar de ver e arrastei meu pai pra ver comigo. Apesar de ter ficado muito empolgada com o que vi no filme, não consegui arrumar um tempinho pra resenhar aqui, mas agora estou um pouco livre e cá estou.
Um estranho acidente acontece em uma casa matando uma família inteira e os policiais acham o corpo de uma jovem não identificada no porão que a princípio, não tinha nenhuma ligação com a família. Para resolver tal mistério, o xerife local decide levar o corpo à Tommy e Austin, pai e filho que comandam o necrotério da cidade pequena. No começo, para eles seria mais uma autópsia normal que eles estavam acostumados a fazer, porém, coisas estranhas e perigosas começaram a acontecer, conforme avançavam na descoberta do mistério.
O filme passa dentro do laboratório com o pai ensiando ao filho que deveria analisar direito e não apenas chutando o que seria. A todo instante eles vão descobrindo coisas estranhas no corpo da desconhecida, que os intriga, achando ser algo impossível ou improvável. A cada nova pista, fotos são tiradas; anotações no desenho feito no quadro; pequenas amostras coletadas e algumas partes, como um tecido é analisado. Contudo, cada vez que pensam chegar mais perto de desvendar quem era aquela moça, mais perguntas surgem e parecem não estar nem tão perto de resolvê-lo.
Particularmente, eu não achei o filme assustador, inclusive na nossa sessão de cinema estavam rindo bastante em algumas cenas. Mas, é um filme cheio de mistério e que possui um final aberto, o que tudo indica que terá continuação! Enquanto escrevia a resenha, me veio em mente que talvez possa ter a mesma essencia dos filmes "atividade paranormal" no sentido de que cada filme não ter uma sequência cronológica certa. Imagino que o próximo, se existir, responda algumas perguntas que ficaram abertas, apesar de saber que provavelmente irão surgir outras novas questões. Uma coisa que fiquei bem chocada foi saber que a desconhecida é uma atriz, não uma boneca, como eu pensei que fosse hahaha.

Trailer do filme:

[Filme] Nerve - Ariel Schulman, Henry Joost

03 maio 2017

Domingo estava navegando pela Netflix procurando algo interessante pra resenhar aqui no blog, e simplesmente achei o filme Nerve: Um jogo sem fim, um lançamento do mês passado.
Are you watcher or player? | Você é um jogador ou observador?
Nerve é a nova sensação dos jovens no momento, é um jogo em que não há regras. Os seus observadores propõem desafios dos mais variados possíveis para serem compridos, em um curto intervalo de tempo. Cada desafio disponibiliza uma quantidade de dinheiro ao jogador que cumpri-lo, podendo variar o seu valor conforme o nível de dificuldade deles. Vale ressaltar também que só é considerado um desafio se ele for filmado através do seu celular (não importando se seja feito pelo próprio desafiado ou por algum observador dele).
Venus, apelidada carinhosamente por seus amigos de Vee, é uma menina tímida e bastante reservada. É fotógrafa do time de futebol americano de sua escola nas horas vagas e também apaixonada por um dos meninos do time, JP. Como estão no último ano do Ensino Médio, ela é encorajada por seus amigos a ir falar ao menos um "oi" com ele, mas ela recusa. Mesmo contra sua vontade Sydney,  sua melhor amiga resolve falar com JP e demonstrar o interesse que Vee sente por ele. Com raiva, de sua amiga, Vee vai para casa e resolve jogar Nerve, demonstrando assim que ela não é fraca e que é capaz de fazer coisas ao invés de ficar só na sombra de alguém.
A todo instante o filme me lembrou muito a questão do "jogo Baleia Azul", por conta da questão de desafios que eles devem cumprir, dos mais bobos aos mais perigosos. Por outro lado também lembrava um pouco o programa Big Brother, porque os participantes eram observados o tempo todo, tanto através do celular como nas ruas também eram filmados pelos "paparazzis" do jogo. Apesar de abordar temas muito ricos, como a perda da privacidade ou até mesmo o quanto pessoas podem ser cruéis umas com as outras, são pouco explorados pelos roteiristas, os quais deixam tudo muito superficial. Além de que a mãe da protagonista é um personagem que ficou um tanto perdido e não acrescentava muito pra trama, podia ser tranquilamente descartado.
Mesmo com as falhas que o filme possui, eu simplesmente gostei bastante e super indico à vocês assistirem. Nerve me envolveu do início ao fim, fiquei completamente empolgada e animada. Tanto que assim que terminou o filme, já disse aos meus amigos pra procurarem por ele, assim como estou fazendo com vocês haha.

O dia do trabalhador e sua greve geral

01 maio 2017

Hoje é dia do trabalhador, um dia que não é apenas um feriado qualquer, mas para que nós nos conscientizemos de que devemos nos unir ao invés de ficarmos brigando por pensarmos diferente. Devemos nos unir para lutar por nossos direitos que os maus governantes tentam tirar com as reformas que criam.
Em contrapartida, sexta-feira (28) aconteceu a greve geral dos trabalhadores e foi em âmbito nacional, porém vou comentar só sobre o que houve aqui no Rio. Muitas pessoas foram protestar, o estado realmente parou muito e foi um caos! Às 10 horas da manhã, foi uma aula pública em frente ao Palácio Guanabara (onde fica o governador), com a intenção de falar a população que passava por lá qual era o motivo do protesto. E depois às 14 h e 18 h seria o ato propriamente dito.
Acontece que algumas pessoas, ficaram um pouco revoltadas com a manifestação (boa parte por não conseguirem ir trabalhar) e começou a chamar os manifestantes de vagabundos. O que fez com que, mesmo que caso tivessem razão em algum momento, perderam ali. Não, eles não são vagabundos, estavam lutando por seus direitos, os nossos direitos. Por outro lado, alguns manifestantes também julgavam os que não participavam do ato, perdendo também a razão. Acaba que nenhum grupo está certo, pois não é assim que vão conseguir algo, brigando com pessoas erradas. A energia deve ser gasta com aqueles que querem tirar seus direitos e não entre nós.
Outra coisa que sinceramente me deixou bem chateada foi saber quão violenta foi o protesto, com muito gás de pimenta e balas de borrachas lançadas pelos policiais aos manifestantes. Inclusive aqueles que não estavam fazendo nada, apenas cantando o hino nacional. Só que mais até do que isso, comentários de algumas pessoas que participaram do protesto, de uma forma completamente infeliz. Uma pessoa achando um máximo ter queimado ônibus e com uma euforia tão estranha de ter quase batido em alguém. É sério isso? Será que não percebe que não percebe que só quem perde é você fazendo isso? Será que não sabe que é do seu bolso, aliás, do bolso de todos, que vai sair os impostos pra pagar algo que você quebrou se achando espertão? Pior que isso, o que você ganha querendo agredir alguém por pensar diferente de você? Paz, gente. Paz. É esse o recado que deixo aqui para o dia de hoje.

© Copyright DE LOUCOS TODOS SOMOS UM POUCO | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
Designer e programação por: DRÊ DESIGN.
imagem-logo